quinta-feira, 30 de abril de 2009




Silêncio













Em silêncio...é como eu vou estar, nos próximos dias.Regresso a Lisboa, dia da mãe.
Amanhã rumo a Condeixa, perto de Coimbra para um retiro.Retiro, significa isso mesmo, retirar-me do meu ambiente, e parar.
Certamente, muitos diriam que não seriam capazes de o suportar, que o silêncio é uma seca, que cansa, mas ás vezes o que temos é medo de nos ouvir.
É uma paragem necessária para todos de vez em quando, e esta vai concerteza ser a cereja no topo do bolo, depois de todas as coisas que mudaram,que tenho vivido e sentido...
É também um bom momento para avaliar o caminho de formação missionária, feito até aqui.

Momento, para me encontrar com Deus e por isso mesmo, comigo.
Como um espelho.
E a verdade é que estou ansiosa por esse encontro.E feliz.
Não é que não nos tenhamos visto ultimamente, mas quando estamos sós, consigo perceber coisas, que nunca antes me tinha dado conta.
Vou de coração aberto e disposta a ouvir o que ele tem para me dizer...


...ssshhhh, sem barulho, porque ele a mim, escuta-me sempre.








Até Domingo!

Santiago de Compostela... Relembrar






Lembrei-me que qualquer caminho, exige esforço, mas também alegria.
E sobretudo confiança!

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Desabafo






Este post só fará sentido para alguns.




Os dias variam entre o sol e a chuva...o sol que aquece e o vento que arrefece.
Mas as nossas relações humanas, não deviam seguir esta rotina...Ora bem, ora mal.
Mas parece que faz parte.
Embora saibamos, que gerir relações humanas é algo complicado, por vezes, devido aos diferentes pontos de vista, á forma como cada um vê e sente o mundo que o rodeia.
E cada um é um, e por isso, por mais semelhanças que possam existir a diferença tem e terá sempre lugar, e ainda bem.
Como quem olha para um quadro, todas as pessoas o vão intrepertar de forma diferente.
Assim acontece com todos os gestos e palavras que saem de nós, em direcção aos outros.
Nunca sabemos como isso vai resultar, mas ainda assim, devemos sempre deixar sair o que sentimos.A isso chama-se ser Genuíno.Espontâneo.Transparente.Sabendo é claro acarretar com as consequências dos nossos actos.
Nunca pretendi veicular opiniões que não as minhas e, portanto, desprovidas de qualquer comprovativo científico.
Não me interessa realmente o que outros pensam, se assim o quiserem impor, se não souberem ler aquilo que eu sou, o significado das minhas acções e muitas vezes até do que vou escrevendo aqui.
Nunca tive qualquer intenção de ser intelectual ou coisa parecida, para isso existem uns tantos nomes de escritores e pensadores,que cumprem esta função. Eu não sou intelectual nem sequer pseudo-intelectual: apenas gosto dos prazeres da vida, das pequenas coisas que nos são oferecidas todos os dias e às quais normalmente não prestamos qualquer atenção.E depois gosto de as partilhar, porque só assim fazem sentido.
Gosto das coisas claras, sem rodeios, sem jogos e segundas intenções e muito menos pressões.
Se há algo importante para mim, é a minha liberdade.
Eu nunca deixo de fazer o que penso, sinto ou quero, mas também não obrigo ninguém a fazer algo que não quer ou sente.No entanto emito a minha opinião e isso é um direito.Por isso o respeito é muito bonito.

Não creio que a forma como vivo é que é.Não sou autista o suficiente para pensar que a minha vida é que é boa, mas confesso que vejo por aí muito boa gente que morre aos bocadinhos.Que se arrasta, que não luta que não inova, que não se apaixona por coisa alguma e isso custa-me.Pois eu também já sofri e não foi pouco mas isso não me tornou amarga ou revoltada, pelo contrário.
Também encontro pessoas vibrantes, que me contagiam com a sua vontade e força sendo ás vezes limitados, mas não se acomodam e eu acalento esses laços.Porque me fazem bem.Porque me ensinam e quero estar perto de quem me pode ajudar a ser um ser melhor do que aquilo que sou.

Eu sei apenas de mim e disso até sei umas coisas: sei que viver fechada sobre mim, me sufocaria mas não acho que tenha que pedir desculpa por ter uma opinião diferente.
Há muitas pessoas que viveram coisas muito duras no passado, coisas que marcam e magoam, mas no entanto continuam a caminhar, não pararam a sua vida e estancaram os sonhos, mas lutam pela mudança e sentem alegria- a essas, o meu respeito e admiração. Às outras, que não sabem do que falo, nem lutam por elas mesmas a minha indiferença.
Outra coisa que não me preocupa minimamente é o que pensam da minha vida.
Não vivo, nem escrevo esperando qualquer validação dos meus actos ou das coisas que penso. Não penso inscrever as minhas atitudes na matriz cinzenta de quem se rege pelo que os outros pensam, de quem tem medo de se arriscar, de quem vive encolhido á espera do dia de amanhã para ser feliz, quando a felicidade é agora mesmo, neste momento em que dou ás teclas a vida que me habita a alma.

Não sou exemplo para ninguém, sou apenas mais uma e sei isso - não me sinto especial ou mais digna de nota. Sou como sou e não obrigo ninguém a vir ler o que escrevo todos os dias. Se o fazem é certamente porque querem. Esta é a minha forma de diário e não me apetece que o critiquem ou, pelo menos, espero que o façam abertamente.Pessoalmente.
Gosto de ler as opiniões dos outros sobre o que escrevo, é evidente. Mas só se o fizerem com a sua própria perspectiva. E só se perceberem que não o faço para mudar nenhuma vida, a não ser a minha.Essa é a única coisa que pretendo sempre renovar, a minha própria vida, escrita, desenhada e vivida por mim, com uma alegria maior que cada vez cresce mais, apesar das dificuldades do caminho.
E ainda se me apresentarem argumentos válidos/divertidos/inteligentes o suficiente para eu perder tempo/rir/debater-me com eles.Mas nem isso fazem.
A única coisa que espero das pessoas é que consigam compreender o que sou ou escrevo, se quiserem, e que consigam entender que existo para além destas linhas.Que a vida para mim é uma enorme festa, uma dádiva, que teimo em celebrar todos os dias...
Quem achar que me conhece o suficiente quando lê estes meus textos... Bem, a essas pessoas falta o essencial.Porque nunca conviveram de perto comigo...e ás vezes convivem e não chegam lá.
Já por várias vezes, demonstrei que eu não corro atrás de ninguém, nem corro na vida, o que faz com que muitos desapareçam do meu horizonte.Mas se souberem esperar, abrandar o passo, apreciar a beleza do caminho,pode ser que nos acompanhemos e aí sim, temos terreno fértil para construir uma amizade.

De qualquer maneira, espero que os outros continuem a presentar-me com a sua presença, porque vos amo e me são sim, essenciais. :)
A vida não passa por mim, como um comboio de alta velocidade, enquanto espero na estação com os cabelos ao vento, ao contrário, eu é que passo pela vida...deixando atrás de mim aquilo que também vou recolhendo, sol, sorrisos, sonho, abraços,magia, flores e o seu doce perfume...














*e não, não é um post amargo, apenas cansado.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Pretty dress...


Pretty Dress (Album Version) - Rosie Thomas

Eu já estive...



create your own visited country map




Ainda conheço muito pouco!
E o mundo é tão vasto...conheço o quintal á frente da porta, por assim dizer, com 14 países onde estive.
Com alguém dizia, há-que picar o ponto!ahahahah.

segunda-feira, 27 de abril de 2009


Um dia perfeito!
















Como descrever um dia tão perfeito, esperado por ambos, um dia diferente?
Acordei feliz, e preparei este dia com cuidado, para que nada falhasse.Ele merecia-o.
Quando cheguei ao Telhal, pelo 12h, o Deodato já estava pronto, mais que pronto, depois de ter passado a missa toda a sair a entrar da igreja, segundo me disseram, para ver se eu chegava.

Depois de eu ter a devida autorização do enfermeiro e a medicação, assim fomos nós.
Era dia de passar o portão de carro e não olhar para trás, era dia de o passar porque podia, e essa liberdade e alegria nele fez-se sentir, tal como em nós!
O caminho até minha casa, foi feito com música, que ele gosta de ouvir alto, o braço de fora da janela e no banco da frente lá ia vendo o mundo...as pessoas, que se moviam lá fora.
A chegada deu-se com ansiedade, chegou ao meu 3º andar, num instante, ao contrário de mim, e bateu á porta e entrou dando de caras com o meu pai, e foi logo um abraço daqueles calorosos, á Deodato!Acompanhado da pergunta:"Migo, então migo?ooh migo!estás bom?"
O meu pai emocionou-se logo, pelo carinho com que ele o fez, a forma doce e espontânea.
Depois, quis logo ajudar na cozinha, e chamava a minha mãe de mãe.Correu a casa toda, para ver tudo, desde as varandas á dispensa e dizia que era bonita, mas que a dele também era linda, e é.
O almoço começou por fim, e para ele tudo estava bom...muito bom!Comentava as noticias na televisão, fazia perguntas aos meus pais, rimos muito com a pureza dele, com a forma de estar, as expressões faciais...que tanto dizem do que sente.Ele é tão transparente.
Aquele almoço, soube-me muito bem, por ter o Deodato ali mesmo ao meu lado, por sentir que ele sentiu que éramos também a sua família, porque queremos.E para ele a mãe já era a mãe e o pai o pai.Todos amigos, porque sim.
Acabado o almoço, bebeu o seu café e quis ver muitas fotografias minhas quando era pequenina, e ria-se, porque eu era magra, segundo ele...e ali esteve com a minha mãe,os dois á conversa.
Uma conversa ou um diálogo que nem sempre se entende, que é breve, que é simples, mas que vale bem mais que muitos diálogos que temos, por aí, com palavras caras, elaborados...mas que espremendo, não tiramos nada.
Depois, resolvi pôr música, e foi a loucura, ele fartou-se de dançar no meu quarto, pelo corredor...e até falámos na net, pela web, com algumas pessoas, que estavam longe...foi uma festa!
No meio disto tudo, entrava 1000 x no quarto do meu pai, para lhe perguntar se estava bem?Depois voltava a sair, ia á cozinha e dizia: "Olá Mãe!!"...a minha mãe sorria e ele lá vinha para ao pé de mim.
Delirou, quando o meu pai lhe deu uma gravata, porque ele gosta muito, tirou logo a que trazia e pôs aquela, muito contente.
Depois pediu para ir dar um volta, pois quem corre o Telhal todos os dias, não gosta de estar fechado num andar, e lá decidimos ir até á praia grande arejar...e fomos.A despedida dos meus pais foi com emoção, que o adoraram.
A alegria dele era tanta, que bateu palmas quando viu o mar...surgir lá ao fundo.Ali ficámos, frente ao mar, a admirar a sua grandeza e a divagar...mas as 18h, aproximavam-se e tínhamos que voltar ao Telhal.
Assim se deu o regresso, sempre muito alegres, e o Deodato nas suas saídas únicas e genuínas.
Via nos seus olhos a alegria de um dia diferente.E por incrível que pareça, nenhuma tristeza por ter que voltar a sua casa, o que é bom, porque é feliz no Telhal.
Este dia, foi um dia de lições para mim, um dia de muita alegria e ver alguém feliz, fez outros tantos felizes.
















Alguém me dizia, uns dias antes...se não seria perigoso, tirá-lo do seu ambiente...e eu respondo, que o perigo está em todo o lado, menos numa alma como esta...pura.
Aprendi que a diferença não ocupa lugar se assim quisermos e transformarmos tudo isso em Amor.Que quero sempre estar rodeada de seres únicos, simples, verdadeiros...que me ensinam algo que nunca poderia aprender cá fora.E ensinam-no da forma mais simples, que existe.Com amor.Com o coração nas mãos.Sem grandes rodeios.Porque se assim fosse não faria sentido, como aliás nunca faz.
Obrigado ao Deodato, por ser quem é, como é, por nos desarmar no seu jeito doce.
Obrigado aos meus pais, por o acolherem e o tratarem com tanto carinho.Sinto que mexeu com os meus pais, quando os vi de lágrimas nos olhos a despedir-se do Deodato.Obrigado ao Bruno, que nos acompanhou e foi testemunha de tantos bons momentos deste dia, sem ele não seria tão perfeito...inesquecível.
Se pudesse, faria isto sempre, com mais doentes, mas de facto, não pode ser sempre e eles são muitos.Mas é bom para eles e para quem os recebe.No entanto o meu trabalho no Telhal continua, semana a semana.
Do nada ao pouco, prefiro fazer pouco, mas fazer algo!














Porque para Deus, uma Só alma, vale mais do que tudo o que existe...



OOOhhhh HaaaaPPPPyyyy DaaaYYY!!!!



Foi maravilhoso!
As imagens falam por si.























































What a wonderful day!

sábado, 25 de abril de 2009

TAIZÉ never ends!

Um video com muitas caras conhecidas e enviado por um grande amigo, que sentiu a minha falta em Taizé este ano.

E eu senti a de todos.

Thanks Nicklas!!

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Pela estrada fora!

video

Pela estrada fora, assim fomos, embebidos em cantorias...

Sei que foram tristes figuras, mas era uma alegria maior que nos enchia a alma.

Nem se consegue ver nada, mas ouve-se.Lá fora, viam-se estrelas e os grilos cantavam...

Momentos eternos.

Deliciem-se com esta voz e esta alma!

video

Não percebi uma palavra do que ele cantou, mas tocou-me muito!




Último dia com o Bashir.




A esta hora o Bashir, está quase a chegar a Israel.
E ontem foi o último dia que estive com ele e pudemos partilhar bons momentos.
Além do mais, era dia de anos do Bruno, o que foi perfeito.
Houve momentos daqueles que nunca mais se esquecem.
Sinto que fiz tudo o que podia, para se sentir bem no meu País.
Através dele, conheci o Sr.João de Deus, que trabalha na casa e também se empenhou em bem receber e é uma pessoa extraodinária!Com uma história de vida, vasta, desde os seus antepessados.Alguém que conhece bem a realidade do Telhal e que me vai ajudar concerteza em momentos de menos luz.
Foi o Bashir que estabeleceu a ponte entre nós.
Tivemos uma tarde e uma noite muito animadas, em que o Bashir, deu umas aulas com os seus instrumentos Israelitas, que produzem um som do céu.
Depois terminámos com um jantar no leitão de Negrais, na Tia Alice.
Uma noite para comemorar e recordar!




Flores lindas que dão cor aos Jardins do Telhal, mas que duram apenas certa de 15 dias no ano.Uma beleza única mas efémera.









A minha chegada ao Telhal, munida de equipamento, para o fim de dia que se seguia!












As aulas de Guitarra, que ontem foram bem diferentes e internacionais.







Atento.




Surpreendido.



Ensinando...
Admiração!
Entusiasmo!



No forno dos Leitões da tia Alice, em Negrais
E com a pessoa que os faz há 61 anos, e em excelente forma tem 73 anos.Com 12 anos já os assava!É muita técnica.



Chegados ao restaurante, para celebrar a última noite do Bashir em Lisboa.


Vinho com Gás...próprio para o Leitão.
E 3 vidas tão diferentes, mas juntas pela Hospitalidade.
Foram horas a conversar sobre tudo e a apreciar uma boa gastronomia...com muitos risos e alguns momentos mais emotivos.
Histórias que nunca mais se esquecem.
E para entrada, provámos a dobrada á moda do Porto.






Um pão saloio macio...









Pézinhos de coentrada...









O tio dos Leitões, que nos veio visitar...






E por fim, o Leitão...tostadinho, com molho picante e as batatas fritas na hora...ás rodelas e arroz de açafrão.
Estava tão bom!!


Eis um prato, Português e colorido.






Sorvete de limão...fresquinho!



Boa disposição.









E a Sericaia alentejana, com ameixas...hummm!




Um cafézinho delta para terminar, que o Bashir tanto aprecia...







E a tia Alice e o Tio dos Leitões, que tão bem nos acolheram!




Uma enorme alegria...este fim de noite!






E a tia Alice já queria ficar com um sobrinho de Israel!


O sr.João de Deus, eu e o Bashir...numa Ginginha.





Um brinde á vida, ao mundo á amizade que nasce onde menos esperamos!





Pela estrada fora, viemos a cantar, numa só lingua...e numa só alegria!
Que noite!Gosto de pessoas assim, que lutam pelos seus sonhos e agarram a vida!
Agora, fica o desejo de ir a Israel...
Sei que quando deixei o Telhal, cruzou o céu uma grande e luminosa estrela candente...piscou-me o olho e eu, sorri.
Plim*